A Associação

Quem Somos:

 
A Associação Cultural Trapiá, oficialmente criada em 2017, já atua desde 2014 no cenário cultural do Rio Grande Norte através das ações da Trapiá Cia Teatral. A partir de 2017 suas atividades se ampliaram para além das montagens teatrais.

A Associação acredita que a atuação dos artistas que compõem sua estrutura pode contribuir para a melhoria da vida das pessoas, sobretudo crianças e adolescentes através de ações que qualifiquem a educação tendo a arte como ferramenta, tanto que seus projetos foram reconhecidos e foram registrados no Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente de Caicó/RN (Registro nº 13).

Uma das características da Associação é falar do lugar em que ela se encontra, o sertão, por acreditar que ao falar do seu lugar está falando do mundo e se relacionando universalmente com todos os povos. O coletivo formado a partir desta ideia se propôs a defender, preservar e conservar o meio ambiente e promover o desenvolvimento sustentável tendo a arte como instrumento para chegar a todos os lugares e todas as pessoas. Acreditamos que a promoção da cultura e a defesa de todo o patrimônio material e imaterial é papel decisivo para o desenvolvimento ser humano em sua totalidade.

Envolver-se em projetos que tenham a educação, a arte e o meio ambiente como focos é uma premissa perseguida por todos os agentes que formam a Associação Cultural Trapiá. A expertise de cada membro do coletivo, nos campos artístico (teatro, dança, música, artes visuais, literatura de cordel, artesanato), acadêmico (História, Pedagogia, Geografia, Letras, Direito, Enfermagem, Dança) e socioambiental, nos dá a segurança de continuar trilhando um caminho que busque resultados concretos na harmonização do homem com a natureza, bem como a promoção de uma educação de qualidade, contribuindo para a inclusão de todos no tão desejado desenvolvimento sustentável e responsável.

No campo das artes cênicas, atividade principal até o momento da Associação, através da Trapiá Cia Teatral, são desenvolvidos projetos com a proposta de descobrir obras teatralizáveis e convidar um dramaturgo para fazer a transposição do texto literário ou científico para a linguagem cênica. Ou seja, todas as montagens serão inéditas. Também há como proposta a criação de trilha sonora original utilizando como método a “paisagem sonora” de R. Murray Schafer. Neste sentido montou em 2014 o espetáculo “P’s” que circulou por 14 estados brasileiros, realizou 50 apresentações para um público aproximado de 10 mil pessoas e circulou pelas 5 regiões do Brasil pelo Palco Giratório do SESC em 2018, além de ter recebido diversos prêmios em festivais de teatro.

Em 2018 montou o espetáculo “Chico Jararaca”, contemplado pelo Edital de Economia Criativa do SEBRAE/RN com o projeto “Seridó Criativo” em parceria com artesãos de Caicó. Em 2019 o projeto “Chico Jararaca nas comunidades rurais de Caicó” foi selecionado no Edital Descentrarte/FUNARTE. Já acumula 33 apresentações em 17 cidades do RN e PB e um público de 3 mil pessoas. Durante 2019 e 2020 a Trapiá Cia Teatral se dedicou a pesquisar e montar o espetáculo “Menino Pássaro” de Afonso Nilson inspirado no cordel “O menino e os pássaros” de Edcarlos Medeiros. Também em 2019 criou e executou o projeto “Dramaturgia Potiguar” em parceria com o Programa de Pós Graduação em História dos Sertões da UFRN e com grupos de teatro de Caicó (Trapiá Cia Teatral, Grupo Retalhos de Vida, Cia Arte e Vida e Cia Teatral Verso e Prosa), sendo a primeira ação a leitura dramática e análise dramatúrgica do texto “As Velhas” de Lourdes Ramalho.

A partir do ano de 2017 a Associação, por meio da Trapiá Cia Teatral e a Trapiá Filmes, enveredou em produções de audiovisual, com a produção do filme “P’s”, vencedor do Prêmio de Finalização – Mística na 5º Mostra de Cinema de Gostoso e Melhor Curta Metragem Potiguar no IX Festival Internacional de Cinema de Baia Formosa, ambos em 2018 e foi selecionado para 12 festivais nacionais e internacionais. Em 2021 estreou seu mais novo filme intitulado FOLE, patrocinado com recurso da Lei Aldir Blanc, Governo do RN e Fundação José Augusto.

No campo das ações sociais a Associação Cultural Trapiá desenvolveu o projeto “Seridó Criativo”, com foco na econômica criativa como força motriz para artistas e comunidades. A primeira edição do projeto em 2019 envolveu 32 artesãos de 10 comunidades da região do Seridó Potiguar, 10 prefeituras, um grupo de teatro, um brincante e atingiu 8.305 pessoas. Também em 2019 foi aprovado o projeto “Entre na Dança”, que prevê curso gratuito de dança de salão e dança contemporânea para adolescentes em situação de vulnerabilidade social da Escola Estadual Professor Antônio Aladim de Araújo, em Caicó/RN. Este projeto recebeu recursos financeiros do FIA (Fundo da Infância e da Adolescência), por meio de seleção em edital lançado pelo Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente de Caicó.

Em 2018 a Associação Cultural Trapiá desenvolveu, em parceria com a Universidade Federal do Rio Grande do Norte, o projeto “Conexão Cordel” que levou para 1.000 crianças e adolescentes, gratuitamente, de 05 escolas públicas do Seridó, uma aula espetáculo que contava a História do Cordel no Brasil.